Publicado em

Meio sei la

Seres racionais demais sofrem mais do que a maioria das pessoas ordinárias que compram pão na padaria às 6:00 da madrugada costumam sofrer. Sofremos muito porque para nós tudo precisa de uma explicação, de um motivo, de uma razão, afinal. E poucas coisas na nossa vida vêm num pacote tão bem elaborado com a combinação mágica “fato+razão de ser do fato”. Aliás, quase nada na vida vem com esse belo conjunto. E é aí que a gente se ferra.

Todo dia nós passamos por uma enxurrada de sensações, boas e ruins. Ao longo das horas essas sensações vão, vêm e em boa parte dessas idas e vindas conseguimos identificar o motivo de tais. Mas nem todas são assim. E estou aqui pra falar da pior delas: a sensação de “meio sei lá”.

Essa sensação é a pior de todas. Ela ataca de repente, sem nenhuma razão aparente e muda completamente seu humor, num intervalo de tempo tão veloz que você não nota. A sensação de meio sei lá é a pior porque a gente NUNCA sabe o porquê de ela estar ali. Ela não chega a ser ruim, nem boa. Só incomoda e, em alguns casos, faz você se irritar com qualquer coisa sem que isso fosse algo que te irritaria normalmente. E ninguém sabe lá.

Fico com aquela impressão de que tudo é chato demais, de que todo mundo me odeia e só estão sendo legais comigo para poder comer meu Doritos quando eu estiver perto. E nem tente negar, você sabe como é. É uma sensação meio escrota que mistura o fato de você não saber o que vai fazer da sua vida e achar que já desperdiçou metade dela em álcool, cigarro e gente feia, mais o fato de pensar que ainda tem que tomar banho antes de dormir, só que o facebook resolveu pregar suas nádegas na cadeira. Você começa a desconfiar de tudo e de todos, tendo a íntima certeza de que seu futuro é ser um velho cadeirante com setenta e um gatos num apartamento do subúrbio, onde sua vizinha é uma prostituta de alta rotatividade. Você sente ciúmes de qualquer pessoa que esteja dando atenção à qualquer coisa que não seja você. Sente inveja até da própria sombra, porque é a vez dela com a vizinha meretriz.

Pior do que a sensação de desespero de quando acaba o miojo, pior do que a frustração de descobrir que aquela/e menina/o linda/o beija mal pra cacete (é a pior frustração do mundo; tenho pra mim que todo mundo que é bonito tem OBRIGAÇÃO de beijar bem), mais decepcionante do que ir ao banheiro e perceber que não tem papel depois de já ter terminado, mais triste do que ouvir “eu gosto de você como amigo”. Essa coisa que dá na gente que não tem definição, que te deixa bolado sem ter uma boa explicação pra tanto, essa coisa meio… sei lá.

Concluo essa rápida reflexão achando que isso é, na verdade, sua consciência mandando você largar de flauteações sem sentido e caçar uma roça pra capinar, porque tem muita prostituta passando fome  enquanto perdemos nosso precioso tempo escrevendo poemas de amor cujo público são as almas caridosas dos amigos que os lêem para não nos deixar sem graça. Esperar passar, é o que resta a nós, pobres seres altamente racionais que passamos um terço da existência nos lamentando pela falta de respostas lógicas para os dilemas da vida, como: o porquê de o cereal matinal ficar mole antes mesmo de você terminar de pôr o leite na tigela, entre outras.

E se alguém descobrir como surge a sensação de meio sei lá, me avise. Ou patenteie a descoberta.

Tenho para mim que o primeiro a dar essa resposta, leva um prêmio nobel. Imagem

Anúncios

Sobre Filipe

Futuro Cientista Político, Rei dos Nerds, Feliz.

7 Respostas para “Meio sei la

  1. ▬▬▬▬▬▬▬ Rique Raynal ⋅

    Essa sensação é bastante conhecida como “meh” – 3 letras e muita sabedoria… sabe, meh…

    Ou como diria o Joey Tribiani, é uma sensação “mu” tipo… uma vaca falando…

  2. odeio a sensação de sei lá! Odeio mesmo!

    E o pior era que eu estava de boa, ai ela bateu… O sei lá me envolveu e estou aqui reunindo todas as forças para comentar esse texto (embora ela tenha me feito sorrir e eu concordar com ele plenamente) e pode dizer: eu estou meio sei lá para algumas pessoas, situações e até comer doritos tá perdendo a graça.

    O comer Doritos tá de boa, qlquer coisa é só não abrir, levar para você que vai devorá-lo com carinho entre aspas e eu terei me livrado entre aspas do bendito e ainda ter te feito feliz.

    Me esquivo do sei lá de situações inventando desculpas mais que apropriadas, como: estou sem dinheiro e não posso sair.

    Agora me esquivar das pessoas é mais complicado porque não sei ou tenho um medo enorme de magoar as pessoas, mas as vezes o me afastar delas faz a sensação de sei lá sumir por tempo suficiente para que quando eu as veja eu esteja com saudade delas…

    E sabe o que eu amo mesmo: a agradável sensação de surpresa. E é sobre ela que escreverei agora.

  3. Débora Senise ⋅

    vei, mto bom o texto, adorei-o e ate concordo com vc. Mas, vou tentar explicar com minhas palavras o que é essa sensação de meio sei lá (e talvez quem sabe responder a sua pergunta)

    Bem, acho que essa sensação surge em meio há uma pequena quebra do cotidiano e da normalidade em que nos paramos para questionar e nos perguntar algo, e percebemos que simplesmente não sabemos, por mais que tentemos, é como se não tivéssemos informação suficiente em nós para explicar algo. E para um amante da sabedoria, isso incomoda muito. Mas pode ser mais do que apenas não saber responder alguma pergunta pessoal ou algo assim, muitas vezes é simplesmente não saber o que esta sentindo, sentir algo muito forte que lhe incomoda ate a alma, e não saber o que é (o que torna o incomodo ainda mais insuportavel) , não saber explicar humanamente e com palavras coerentes aquela coisa esquisita que estaria sentindo. É como um grande “não faço ideia”, mas essa expressão é mais usada pra quando não sabe e não quer saber, falta de interesse pelo assunto, o “meio sei lá” ainda busca uma resposta mesmo que sem nenhuma pista do que possa ser (principalmente quando é em um ser racional). E muitas vezes é em um simples momento, curto, que exige resposta rápida que nos atinge com isso, na falta de tempo respondemos sem pensar (as vezes pensamos só depois) o que pode ser visto como uma pequena falha pros racionais (responder sem pensar).

    ah, é isso, espero que leia esse comentário =)

    • Filipe ⋅

      Débora, acho que você encontrou um caminho para descobrir o que é o sentimento de “meio sei lá” mas ainda assim não é a resposta total deste questionamento! =D Adorei o seu comentário!

  4. Acid Grovervil ⋅

    Muito bom texto.
    Creio que este sentimento de revolta momentânea é uma resposta involuntária ao costume de pessoas de alto entendimento do mundo a nossa volta. Sentimento esse que, pelo menos no meu caso, é mais frequentemente “ativado” na hora de tomar banho, uma hora onde o único compromisso que eu tenho é cuidar de mim. Talvez esse sentimento de “sei lá” é apenas uma leve observada no mundo real, o mundo de interesses. Já vi uma frase que diz que nós estamos tão acostumas a ouvir mentiras que sinceridade de mais choca, creio que a sinceridade vinda do próprio ser é mais chocante ainda.
    A.G.

  5. Jow Gusmao ⋅

    Tô quase voltando no meu orkut só pra colocar esse texto no meu “Quem sou eu” pq véi, na boa…

O que voce pensa sobre isso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s